30 de dezembro de 2011

Kelly Slater no Innersection

29 de dezembro de 2011

Mudanças no Circuito Mundial


Mais mudanças no esquizofrênico circuito mundial de surf profissional.

Depois de implementar mudanças bem questionáveis no World Tour 2011, o Conselho da ASP (ASP Board Director) resolveu voltar atrás e desativar a rotação semestral (ou corte dos atletas, se preferirem) dos top 34 para 2012. A entidade alega que tem dificuldades com o calendário da próxima temporada e que pretende ser mais justa com os atletas.


Quando todos estavam se acostumando com as mudanças, voltamos ao sistema antigo.


Veja mais direto na fonte:
http://www.aspworldtour.com/2011/12/27/asp-surfers-and-board-of-directors-vote-to-deactivate-the-midyear-rotation-in-2012/

27 de dezembro de 2011

Mickey Smith - Surfing The Wilderness (BBC Springwatch Surfer Special)


O vídeo abaixo é um excelente trabalho do surfista e fotógrafo britânico Mickey Smith, que ganhou o prêmio "Digital Short Of The Year" da Surfer Magazine com o vídeo Dark Side Of The Lens. Surfing The Wilderness é um vídeo com alma e com qualidade e mostra boas ondas na costa da Irlanda.




Musicas:

William Orbit - Triple Concerto (Pieces in a Modern Style (2000))
http://www.youtube.com/watch?v=m_FeO2U-y_M&feature=player_detailpage#t=175s

Sheridan Tongue - Building Blocks (BBC Wonders of the Universe OST)
http://www.youtube.com/watch?v=fouN7kRZjhU

John Murphy - Adagio in D Minor (Sunshine OST)
http://www.youtube.com/watch?v=NQXVzg2PiZw


'Dark Side Of The Lens'
http://www.youtube.com/watch?v=1swPZzxv0tI

22 de dezembro de 2011

A fronteira final

Colocar o pé na estrada e encarar o desafio e a aventura de partir rumo ao desconhecido para ir atrás de boas ondas é uma atitude que sempre fez parte da cultura do surf. Hoje, em uma época de surfistas tão artificiais e marrentos, a idéia desse sujeito, de colocar o pé na estrada e ir atrás de uma onda literalmente no fim do mundo, ao mesmo tempo nos choca e nos inspira. Frio extremo? Tubarões? Orcas? Nada disso intimidou o surfista Kepa Acero, que pegou sua prancha e foi até a Patagonia, no extremo sul do continente, para achar uma onda perfeita.

O surfista, que é local de Mundaka (País Basco) está girando o mundo com seu projeto THE FINAL FRONTIER, que visa descobrir novas ondas nas últimas fronteiras do mundo: Patagonia e Alaska.




11 de dezembro de 2011

Kieren Perrow vence o Pipe Masters e ASP fecha o circuito mundial de 2011 com chave de ouro.


Swell épico em Pipeline!

Gabriel Medina, mostrou surf de gente grande e conquistou
o respeito da comunidade internacional


Parece mentira, mas já acabou o ano.
2011 passou voando tão rápido quanto os aéreos do Medina.

As 11 etapas do tour da ASP também voaram. Fazendo uma retrospectiva bem rápida desse ano que está acabando, tivemos o 11° título mundial de Kelly Slater, duas etapas com ondas bizarras em Teahupoo e em Pipeline, duas vitórias de Adriano de Souza e duas vitórias do Gabriel Medina. Isso sem falar na demissão do presidente da entidade por causa do papelão da contagem de pontos que culminou na coroação precoce do 11° título de Slater. E detalhe, quem detectou o erro e avisou a ASP foi o próprio Kelly Slater.

Mas o melhor de 2011, pelo menos para nós, tupiniquins, foi mesmo o pé na porta que o surf brasileiro deu no circuito mundial. Com todo o respeito aos surfistas dos outros países, mas em 2011 o show também foi nosso.

No mundo dos loirinhos bem patrocinados, nunca antes tivemos uma dominância tão grande no circuito mundial; nunca vencemos tantas etapas no mesmo ano; e nunca tivemos a grande mídia internacional falando bem de nossos atletas como agora. Adriano de Souza esse ano brigou pelo título mundial e Gabriel Medina, em seu primeiro ano no tour, terminou 2011 como Top 5 do mundo!!! Isso que ele entrou no World Tour depois da metade do ano (em setembro)!

Finalizamos 2011 com Gabriel Medina como TOP 4, Adriano de Souza como TOP 6, Alejo Muniz TOP 10, Heitor Alves TOP 16, Miguel Pupo TOP 17, Raoni Monteiro TOP 21 e Jadson André como top 27. Um belíssimo ano para o surf brasileiro.

E falando em tour, nesse sábado, 10/12, terminou o Pipeline Masters, evento vencido pelo australiano Kieren Perrow. E verdade seja dita, o evento de Pipe foi bombástico. Ondas de 12 a 15 pés quebravam assustadoramente grandes na bancada mais famosa do Hawaii. Se alguém pensava que Gabriel Medina só sabia dar aéreos, quebrou a cara. O nosso moleque de ouro mostrou coragem, atitude e sintonia com o oceano. Medina, logo em seu primeiro evento em Pipe, conquistou a 5ª colocação no evento mais desejado do mundo.

Outro que fez bonito foi o americano John John Florence. JJ não ganhou o evento mas foi quem fez o melhor surf nessa ediação do Pipe Masters. Na bateria final, Kieren Perrow (AUS) venceu Joel Parkinson (AUS) e se sagrou o grande Pipe Master de 2011. E o havaiano John John foi declarado campeão da Tríplice Coroa Havaiana. Um evento que não será facilmente esquecido.

Veja um pouco do que rolou nessa última etapa do ano nos vídeos abaixo:

Pipeline Masters 2011 - ÉPICO!!!!!






ASP World Ranking 2011 (fonte: site Waves)

1 Kelly Slater (EUA) – 64.200 pontos
2 Joel Parkinson (Aus) – 52.100
3 Taj Burrow (Aus) – 48.700
4 Gabriel Medina (Bra) – 47.020
5 Owen Wright (Aus) – 46.150
6 Adriano de Souza (Bra) – 45.900
7 Julian Wilson (Aus) – 43.945
8 Jordy Smith (Afr) – 42.100
9 Michel Bourez (Tah) – 38.100
10 Alejo Muniz (Bra) – 38.050
11 Josh Kerr (Aus) – 37.370
12 Damien Hobgood (EUA) – 33.220
13 John John Florence (Haw) – 32.805
14 Mick Fanning (Aus) – 30.600
15 Jeremy Flores (Fra) – 30.320
16 Heitor Alves (Bra) – 30.145
17 Miguel Pupo (Bra) – 30.055
18 Adrian Buchan (Aus) – 27.030
19 Kieren Perrow (Aus) – 27.000
20 Bede Durbidge (Aus) – 26.900
21 Raoni Monteiro (Bra) – 25.660
22 Brett Simpson (EUA) – 25.650
23 Adam Melling (Aus) – 25.450
24 Kolohe Andino (EUA) – 25.245
25 C. J. Hobgood (EUA) – 24.550
26 Tiago Pires (Por) – 24.450
27 Jadson André (Bra) – 23.640
28 Matt Wilkinson (Aus) – 23.600
29 Patrick Gudauskas (EUA) – 23.020
30 Dusty Payne (Haw) – 22.505
31 Travis Logie (Afr) – 22.325
32Taylor Knox (EUA) – 21.900


28 de novembro de 2011

Temporada Hawaii Novembro/Dezembro 2011


Ep. 01 - Temporada Hawaii Novembro/Dezembro 2011 from Oakley Esportes on Vimeo.


A temporada havaiana começou com ondas pequenas, mas nem por isso a equipe Oakley desanimou. Os atletas aproveitaram cada onda e surfaram Haleiwa, Off The Wall e Rocky Point para manter o ritmo de treinos para o campeonato em Haleiwa. Na sequência mais imagens vêm por aí.

Imagens:
Lachie McKinnon
Ryan Moss
Marcelo Dada

26 de novembro de 2011

Over Limits em Garopaba

Está acontecendo na Praia da Ferrugem, em Garopaba (SC), o OVER LIMITS, evento que reúne três modalidades radicais bem distintas: o Tow-in modalidade sling shot (aéreos com a ajuda do jet-ski), o paraquedismo swoop (pouso radical) e o campeonato de Jet Wave (salto nas ondas com o jet ski).

Durante esse sábado (26/11) o vento nordeste não ajudou muito nas ondas mas possibilitou um belo espetáculo da galera do paraquedismo. Muitos aéreos no surf e no jet ski, e muita adrenalina no céu de Garopaba. Um formato de evento diferenciado e com muito radicalismo envolvido. Amanhaã tem mais!

Abaixo alguns momentos desse sábado:

Marcos Sifu

Guilherme Tripa

Wilson Nora

Dr Morongo e sua esposa Marisa curtindo a praia e o evento

Ricardo Wendhausen, o Riquinho voou alto...

... mas saiu da água carregado pelo pessoal da Sports Resgate com uma lesão no pé.

Os paraquedistas da modalidade swoop fizeram pousos insanos na barra da Ferrugem. Quem esteve lá para conferir ficou de queixo caído.

Marquito Moraes

Nathan Brandi


Nathan Brandi

Guilherme Tripa

Canto sul da Praia da Ferrugem, o palco do evento.

Praia bonita na Ferrugem

21 de novembro de 2011

Uma onda artificial com tecnologia 100% brasileira?

Por: Dadá Souza





Por mais incrível que possa parecer, essa notícia pode virar realidade em breve. A imagem acima, montada com uma sequência de fotos mostrando toda a trajetória de uma direita quebrando perfeita até o raso é um protótipo brasileiro, com tecnologia original e 100% nacional, de uma "piscina" com ondas. E o melhor, com fundo variável: você pode escolher se haverão esquerdas, direitas, ou esquerdas e direitas. É mole?

Criado e desenvolvido por um arquiteto-surfista (ou seria um surfista-arquiteto?) o projeto consiste em criar ondas artificiais de qualidade para a prática do surf. Batizado como Organic Wave, o projeto já apresenta resultados bem interessantes em seus estágios iniciais.

Na foto acima as ondas ainda são bem pequenas, mas vão melhorando de qualidade e aumentando de tamanho a cada novo protótipo executado. O objetivo é reproduzir esse projeto em escalas cada vez maiores até que essas ondas cheguem a até 6 ou 8 pés. O sistema permite ainda que diversos tipos de fundo e de bancadas sejam criados e testados, sempre mudando de maneira controlada as características da onda. O projeto é inovador pois se diferencia bastante da atuais ondas artificiais da atualidade. Sem dúvidas, um projeto interessante e apaixonante.

Há meses venho acompanhando as idéias, o trabalho e o entusiasmo desse obstinado arquiteto e ando otimista em relação a sua idéias. Espero que ele esteja no caminho certo. A idéia me pareceu revolucionária primeiro, porque não tem qualquer espécie de trilho arrastando as ondas e muito menos se trata de ondas "fechadeiras"; e depois, porque será possível ter diversas opções de fundo e de tipos de ondas. Segundo Guilherme Castro, inventor da engenhoca, talvez seja possível até reproduzir algumas bancadas mundialmente famosas. Tudo é uma questão de planejamento e de testes.

Uma onda de qualidade, sempre perfeita e constante representa o céu, o sonho de milhões de surfistas do Brasil e do mundo inteiro, que moram longe do mar ou em praias pouco favorecidas para a prática do surf. Pode significar inclusive, uma grande mudança no cenário competitivo e no futuro do esporte competição. O surf pode ir para a televisão e para as Olimpíadas. Sem falar no potencial para proporcionar uma nova grande explosão na indústria do surf.

Mas enquanto o sonho não vira realidade, ficamos na torcida para que esse projeto encontre um investidor honesto e visionário, que permita que as coisas aconteçam mais rapidamente. E que esses Surf Camps possam ser uma realidade em muitas e muitas cidades desse Brasil. Uma coisa não se discute, a idéia é boa e o mercado é, de fato, milionário.

E você aí, já imaginou encontrar um lugar em que as ondas estejam sempre de 4 a 6 pés, sempre perfeitas e sempre disponíveis para você? Quem sabe esse dia não esteja um pouquinho mais próximo?

Aloha!

20 de novembro de 2011

Tropa de Elite

Enquanto os eventos no Hawaii não começam, nossos representantes da elite mundial estão aproveitando esse intervalo entre as competições para treinar forte e para dar um gás em suas promoções pessoais. Adriano de Souza, Jadson André e Gabriel Medina lançaram essa semana videoclipes que mostram um pouco do momento e da vida cotidiana de nossos atletas profissionais. DayByDay, de Adriano de Souza, Invent, de Jadson André e My Hawaii, de Gabriel Medina são três vídeos inspiradores e merecem todo destaque aqui no SurfOnLine.

Adriano de Souza - Hawaii

Jadson André - Costa Rica

Gabriel Medina - Hawaii


19 de novembro de 2011

Alan Saulo ganha denovo!

O surfista paraibano Alan Saulo venceu o Matte Leão Surf Festival, etapa do circuito gaúcho profissional 2011 que aconteceu na Praia de Cidreira. Alan veio embalado da vitória da última etapa do circuito Latino Americano de Surf Profissional, realizada no final de semana passado na praia Mole em Santa Catarina, e não deu chances aos seus adversários. O top gaúcho Rodrigo Pedra Dornelles foi o vice-campeão da etapa.

Todos os detalhes de notas ao vivo pelo site http://www.surfpro.com.br/2011/fgs/pro01/.

Rodrigo Dornelles, 2º colocado, rasgando forte nas ondas de Cidreira

A festa e o surf do campeão Alan Saulo.

18 de novembro de 2011

Marlon Klein

O surfista catarinense Marlon Klein é um dos principais representantes do movimento underground surf e já apareceu diversas vezes aqui no SurfOnLine. O moleque é bom de surf, bom de vídeo e manda aéreos incríveis.

A primeira vez que vi o Marlon foi em 2003 na Praia do Santinho (Florianópolis) enquanto acompanhava a etapa brasileira do WCT 2003, que aconteceu nas praias da Joaquina (Fpolis), Calderão (Fpolis), Silveira (Garopaba), e Vila (Imbituba). O famoso e inesquecível "WCT do apagão". Marlon era vizinho do filmmaker Pietro França, e nos acompanhou em diversos dias de competição. Na época, Marlon já era um garoto fissurado pelo sufe mas ainda não tinha muita expressão dentro d´água. Pois o galego ficou bom no surf e hoje traz em seu arsenal uma grande variação de manobras aéreas e progressivas. Marlon também está sempre testando as mais loucas variações de shapes e designs e vem mostrando esse resultado em belos vídeos.

Aos que gostam do underground surf, e aos patrocinadores, segue a dica. Bom de surf, de vídeo e de marketing.



Um protetor solar de qualidade, 100% nacional e especial para surfistas.



Há pouco tempo atrás, falei aqui pelos protetores solares da Vertra, uma marca australiana que desenvolvia protetores especiais para atletas, que duravam 3 vezes mais do que os protetores comuns, principalmente dentro d´água. Hoje ficamos muito felizes de ver e de testar um protetor solar tão bom quanto esse, mas desenvolvido com tecnologia 100% nacional.

E deixo bem claro, não se trata de jabá, apresentamos esse produto primeiro como um serviço de utilidade pública para surfistas, e depois, porque temos que criar em nosso consciente coletivo o sentimento de importância da utilização de protetores solar dado que, o câncer de pele é o tipo de câncer mais freqüente, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores malignos registrados no Brasil. E como nós, surfistas, passamos muito tempo ao sol, proteção é fundamental para a preservação da nossa saúde. Segundo estatísticas do Instituto Nacional do Câncer, o câncer de pele é o de maior incidência no Brasil e está diretamente relacionado à exposição ao sol. Somente no ano passado, mais de 55 mil brasileiros foram acometidos pelo mal. Além do fato de que o brasileiro não foi educado para se proteger da luz solar, existe o agravante de que os raios solares estão sendo emitidos cada vez com mais intensidade, devido à destruição da camada de ozônio. Na Austrália, por exemplo, o câncer de pele é o tumor que mais mata e já se transformou num caso de calamidade pública

O Protetor solar FPS 30 MORMAII – GRIP SYSTEM – é um protetor solar especialmente desenvolvido para a prática de esportes. Tem uma textura leve, não oleosa, absorção extra rápida e toque muito seco. E o melhor, possui um sistema antiderrapagem do corpo em contato com a prancha ou outros equipamentos esportivos, não escorre nos olhos e resiste a 5 horas em contato com a água. E isso, para quem pega onda, é praticamente um milagre.A inovação também vem com a apresentação da embalagem de 1kg, o que garante protetor solar por um bom tempo.

Aos interessados, esse protetor solar Mormaii tem venda exclusiva através do site www.mormaiisaude.com.br

17 de novembro de 2011

Pegadas Salgadas


Dica de vídeo!

Com Direção, roteiro e produção de Luciano Burin, PEGADAS SALGADAS é um vídeo-documentário que oferece um panorama de como a cultura do surf se faz presente de maneira decisiva na ilha de Santa Catarina, contribuindo para determinar o perfil cultural, social e turístico de Florianópolis.

Um projeto interessante, relevante e inédito no Brasil, que vai falar sobre a cultura e sobre a história do surf na ilha de Florianópolis. O documentário dá uma verdadeira aula sobre o surf catarinense e sobre como o nosso esporte impactou no crescimento e no turismo da região. Roteiro inteligente e muitos depoimentos de grandes nomes e de grandes personagens do surf catarinense. O projeto ainda nem saiu do forno e já é um dos documentários mais esperados do ano. Fique esperto que esse não dá pra perder.

16 de novembro de 2011

Feriado no Rosa

O fotógrafo Mauro Pacheco, local da Praia do Rosa, clicou alguns belos momentos durante essa semana de feriado e de boas ondas no sul do Brasil.







15 de novembro de 2011

Boletim do Waves para iPhones


Para quem tem iPhone, segue uma boa dica de aplicativo.
O site Waves lançou recentemente esse aplicativo para celulares. Fácil de acompanhar as ondas na sua região, de conferir o boletim do Wavescheck, a tábua de marés da sua praia e ainda grava e compartilha o histórico de suas trips.


Aplicativo Waves para iPhone

Nosso aplicativo permite que você acesso ao conteúdo do Waves com muito mais agilidade e interatividade no seu iPhone.

Além disso ele permite que você grave o histórico de sua quedas e compartilhe com seus amigos no site Waves e nas redes sociais.

Ganhe prêmios - Serão sorteadas pranchas entre os usuários com contribuições mais consistentes.

  • Wavescheck - Acesse as condições do mar e a previsão das ondas com fotos, mapas e gráfico interativos.
  • Faça seu Wavescheck - Faça seu boletim, compartilhe com a galera e concorra a prêmios.
  • Notícias - Confira as principais notícias do mundo do surf.
  • Tábua da maré - Veja a variação da maré nos principais portos.
  • Rádio - Ouça uma programação especial de nóticias na nossa rádio e escolha programas em nossos diversos canais de podcast.
  • Amigos - Verifique o paradeiro do seus brothers.
  • Histórico - Confira todas suas contribuições.
  • Picos Favoritoa - Acesso rápido aos seus picos favoritos.
  • Fale conosco - Deixe seu recado em nossa secretária eletrônica ou mande um e-mail para nós.
  • © Copyright 2011, New Wave Informação e Tecnologia LTDA


Anunciado o novo calendário da ASP para 2012

Foi divulgado hoje o Calendário 2012 para os eventos do World Tour da ASP.
O evento do Rio de Janeiro e da Califórnia (Trestles) diminuíram o valor de suas premiações, teremos novamente uma etapa em Fiji e um inédito evento em Steamer Lane, Santa Cruz, Califórnia. Que 2012 seja de ótimas ondas!

14 de novembro de 2011

Mudanças a vista!

Enfim teremos boas mudanças no circo da ASP.

Depois de um ano meio atrapalhado, um tanto míope (por parte da diretoria e dos juízes) e meio sem graça (com eventos de muita gente e pouca onda), as coisas prometem mudar bastante em 2012.

Primeiro temos a notícia de que Brodie Carr estaria fora da ASP.
Depois da trapalhada com a contagem de pontos que ocasionou em uma coroação prematura de Kelly Slater como Campeão Mundial de 2011, o CEO da entidade, o australiano Brodie Carr, está sendo desligado de seu cargo à frente da entidade. Segundo o próprio: "É meu dever de aceitara responsabilidade pelo erro de cálculo recentes que resultaram na coroação prematurado título de Kelly Slater 11 do ASP World", Brodie Carr disse também.". A determinação do título do ASP World é o momento mais importante no surf profissional. Em última instância, a responsabilidade de cada atividade dentro ASP está comigo. Portanto, eu tenho eleito a renunciar a minha posição como CEO. " Mas a verdade é que as coisas não iam muito bem entre Brodie, a ASP e os surfistas há muito tempo. O brasileiro Renato Hickel também pediu demissão do quadro da ASP mas teve o seu pedido negado. Os nomes mais cotados para ficar no lugar de Brodie Carr são: Wayne "Rabbit" Bartolomew (AUS), Ian Cairns (AUS), Shaun Tomson (ZAF) e até o nome do undecacampeão Kelly Slater (USA). E falando nele, foi o próprio Slater quem descobriu que a conta dos pontos estava errada. Veja mais aqui:http://www.almasurf.com.br/noticias.php?id=2136&canal=9


Depois vem a notícia de que em 2012 teremos antidoping no circuito mundial. É mole? Isso sim seria uma grande mudança no circuito. O problema é que, como dizem alguns colegas da imprensa, não vai sobrar a metade dos surfistas e dos juízes do WT!!

Mas vamos falar sério, essa é uma mudança importante para o crescimento do esporte e muito justa para os atletas que levam as competições, a saúde e o fair play a sério. Se o surf, como esporte, quer ser sério e respeitado, essa é uma mudança importante.
Leia mais:



Outro que fala em mudanças é o Kelly Slater. Kelly fala sobre mudanças e sobre essa nova geração que está vindo com tudo. Veja a matéria completa aqui no link da ESPN

Uma coisa é certa, em 2012 o surf competição vai mudar. Um pouco por causa das mudanças políticas, mas principalmente por causa da assenção meteórica da nova geração. Caras como Owen Wright, Gabriel Medina, Miguel Pupo e John John Florence estão puxando os limites do esporte e estão colocando em cheque todo o julgamento do surf profissional.

Esperamos que essas mudanças sejam boas e justas para o futuro do surf profissional e que pessoas com real competência ocupem a nova diretoria da entidade.

Aloha!

8 de novembro de 2011

Gabriel Medina, o garoto fenômeno, vence em San Fran



Antes de falar da festa, vou falar um pouco sobre as trapalhadas. Primeiro, o 11° título mundial de Kelly Slater não saiu como dito no texto abaixo. A ASP errou nos cálculos e acabou dando o campeonato para o norte-americano enquanto o segundo colocado, o australiano Owen Wright, ainda tinha chances matemáticas de conquistar o título. Um erro que demonstra a falta de profissionalismo ou uma falta de respeito com o Owen Wright e com o povo que acompanha os eventos do WT?

Pois bem, a ASP pediu desculpas e o Kelly voltou pra água para surfar mais uma vez pelo 11° título mundial, dessa vez contra a dupla brasileira Gabriel Medina e Miguel Pupo. E mais uma demostração do amadorismo da ASP: Os garotos do Brasil surfaram dentro desse novo critério de radicalidade e de manobras voadoras e ambos venceram Slater (como qualquer um pode ver no vídeo resumo dessa bateria). Kelly Slater ficou em último nessa bateria. Isso é fato. Mas não foi direito. Os juízes primeiro deram notas altas demais para ondas medianas de Kelly e depois achataram as notas dos brasileiros. Uma verdadeira vergonha o que fizeram nessa bateria.

Kelly Slater foi declarado 11 vezes campeão mundial de surf em uma bateria em que o careca levou uma surra de surf dos moleques do Brasil. Depois de tocar a sirena da bateria, quando não valia mais nada, Slater pegou um tubo monstro, daqueles que só um 11 vezes campeão do mundo é capaz de pegar. Foi lindo, mas não valeu, Embora a ASP tenha tido o cuidado de incluir esse tubo no video resumo da bateria, talvez para não ficar tão chato..

Depois dessa patuscada toda, foi a vez de um outro fenômeno do esporte brilhar. Gabriel Medina, 17 anos de idade e natural de Maresias (SP), sujeito descaradamente prejudicado nessa bateria contra Slater, resolveu dar a sua melhor resposta a ASP e seus juízes caolhos, Medina entrou na água e simplesmente arrasou seus adversários. Na repescagem do Round 5, Medina venceu o australiano Matt Wilkinson, nas quartas de finais, Gabriel deu o troco e venceu fácil o norte-americano Kelly Slater, Na semi, Gabriel venceu o também americano Taylor Knox e na grande final, Medina venceu Joel Parkinson e se sagrou campeão do Rip Curl Pro Search 2011.

Das 4 etapas em que disputou no World Tour, Gabriel Medina venceu 2 (San Francisco e Hossegor) sem falar nos primes de Imbituba, Zarautz, e Lacanau. Um início meteórico de Gabriel Medina, o único cara do tour capaz de desestruturar os nervos de aço do Kelly Slater. E ele só tem 17 anos de idade!

E só para lembrar, essa é o terceiro evento seguido em que temos um brasileiro como campeão! Um fato absolutamente novo dentro do cenário do surf mundial.

Outro garoto que fez muito bonito em San Francisco foi o catarinense Alejo Muniz, que fez uma grande campanha e foi até a semifinal do Rip Curl Pro Search. No Round 4 Alejo venceu Owen Wright e Brett Simpson, nas quartas venceu novamente o americano Brett Simpo e na semi só parou porque pegou um inspirado Joel Parkinson. Alejo apresentou um surf maduro e conistente e foi um dos nomes desse evento.

Parabéns ao Gabriel Medina e ao Alejo Muniz, tem um país inteiro aqui orgulhoso de vocês, E parabéns ao Mineiro, TOP 4 do mundo!

A próxima e última etapa acontece em Pipeline, Hawaii.




Resultado do Rip Curl Pro Search 2011 (Fonte: Waves)


1 Gabriel Medina (Bra)

2 Joel Parkinson (Aus)

3 Alejo Muniz (Bra)

3 Taylor Knox (EUA)

5 Kelly Slater (EUA)

5 Josh Kerr (Aus)

5 Kieren Perrow (Aus)

5 Brett Simpson (EUA)

9 Miguel Pupo (Bra)

13 Adriano de Souza (Bra)

13 Raoni Monteiro (Bra)

25 Jadson André (Bra)

Ranking do World Tour 2011 (Fonte: Waves)

1 Kelly Slater (EUA) - 63.350

2 Joel Parkinson (Aus) - 48.600

3 Owen Wright (Aus) - 47.900

4 Adriano de Souza (Bra) - 43.700

5 Taj Burrow (Aus) - 42.200

6 Josh Kerr (Aus) - 37.750

7 Jordy Smith (Afr) - 37.000

8 Julian Wilson (Aus) - 35.850
9 Michel Bourez (Tah) - 32.650

10 Alejo Muniz (Bra) - 31.850

11 Mick Fanning (Aus) - 31.700

12 Jeremy Flores (Fra) - 28.200

13 Damien Hobgood (EUA) - 26.950

14 Adrian Buchan (Aus) - 26.000

14 Bede Durbidge (Aus) - 26.000

16 Heitor Alves (Bra) - 24.900

18 Gabriel Medina (Bra) - 23.500

21 Jadson André (Bra) - 21.400

28 Raoni Monteiro (Bra) - 15.200

35 Miguel Pupo (Bra) - 6.750

3 de novembro de 2011

Kelly Slater, 11 vezes campeão do mundo!!!!!!!!!!!

É meus amigos, Kelly Slater, o maior atleta de todos os tempos, continua surfando mais do que todos os outros caras do tour. Nessa quarta-feira, 2 de novembro, exatamente no dia em que completava 1 ano da morte de Andy Irons, seu grande rival, Kelly Slater venceu seu décimo-primeiro título mundial de surf profissional.

A verdade é que esse 11° título de Slater era ao mesmo tempo quase impossível e uma grande certeza. Mas como duvidar de Slater? Aos quase 40 anos de idade, Kelly tem o melhor preparo físico dos atletas da elite, a melhor leitura de onda, a maior experiência e continua com a melhor linha de surf . Aliás, sobrou surf para o norte-americano que venceu até agora 3 etapas (Gold Coast, Teahupoo e Trestles), foi vice-campeão em outras duas (New York e Portugal) e terminou em 5° em Bells e em na França. Uma campanha arrasadora que só podia terminar dessa maneira.

Agora imaginem o que deve estar passando na cabeça dos outros competidores. Ali entre a galera do World Tour, está a elite do surf mundial. São caras extremamente competitivos e que odeiam perder. A ironia é que ano após ano, esses caras são obrigados a engolir as vitórias de Kelly. Será que lhes falta o mesmo mix de talento, inteligência e foco? Ou se trata de um simples azar de nascer na Era Slater? O fato é que muitos desses caras não aguentam mais perder para Slater.

Mas bem, o evento continua. Gabriel Medina, Miguel Pupo e Alejo Muniz mandarm muito bem em suas baterias e continuam na disputa. Adriano de Souza, atual top 3 do mundo, perdeu para Kieren Perrow e deu adeus ao evento ainda no Round 3. Raoni Monteiro, apesar de surfar bem. perdeu para o também brasileiro Miguel Pupo e acabou eliminado também no round 3.

A próxima chamada para o evento acontece ao meio-dia, horário brasileiro, mas previsão é de que o mar deve baixar nessa quinta-feira e provavelmente teremos um day off hoje em San Francisco.

Veja mais direto no site do evento:

Boas ondas e muita gente na praia em Ocean Beach, San Francisco

Jadson André

Miguel Pupo

Homenagem ao havaiano Andy Irons.
Que sua história sirva de inspiração e de lição para muita todos nós.

Kelly rumo ao 11°

A festa do norte-mericano Kelly Slater foi grande

Pensa num cara que dominou seu esporte nos últimos 20 anos, sempre puxando o limite, sempre com uma carreira e imagem100% limpas. O nome dele é Kelly Slater.

2 de novembro de 2011

Rip Curl Pro Search - San Francisco - Dia 1


Adriano de Souza venceu na sua bateria de estréia e segue na briga pelo título. Foto: Mike Smolowe

Começou nessa terça-feira (1/11/11), a penúltima etapa do circuito mundial de surf profissional. O Rip Curl Pro Search acontece pela primeira vez na gelada San Francisco, California. No primeiro dia de evento, ondas de até 4 a 5 pés, condições regulares e ondas que exigiram bastante dos atletas da elite.

Dentre os brasileiros, Adriano de Souza, Gabriel Medina e Alejo Muniz surfaram muito bem e venceram suas baterias de estréia, enquanto Raoni Monteiro e Miguel Pupo perderam no round 1 e agora terão que surfar na repescagem do Round 2 para continuarem vivos no evento. O cearense Heitor Alves, ainda se recuperando da lesão no joelho, preferiu não competir em San Francisco e ficou em Garopaba onde faz um forte trabalho de recuperação.

Kelly Slater, atleta 10 vezes campeão do mundo, também venceu a sua bateria de estréia e agora está a apenas uma bateria de conquistar seu 11 título mundial. Se Kelly vencer o seu próximo confronto, leva o caneco da ASP pela décima primeira vez.

Dos cabeças-de-chave, somente Adriano de Souza, Taj Burrow, Jordy Smith, Kelly Slater e Gabriel Medina venceram. Parko, Owen Wright, Julian Wilson, Michel Bourez, Bede Durbidge, Mick Fanning e Josh Kerr perderam na estréia e foram para a repescagem do Round 2.

Até um tubarão deu as caras no evento durante a bateria do havaiano Dusty Payne. Nenhuma surpresa já que todos sabem que as águas de San Francisco são infestadas de tubarões. Só nos resta torcer para que eles fiquem bem longe da área do campeonato.

Mesmo acontecendo nos Estados Unidos, com suas milhares de cameras digitais e com uma internet de alta qualidade, a publicação dos vídeos oficiais do evento está uma verdadeira lenda. Já se passaram muitas horas da finalização do primeiro dia do evento e nenhum vídeo apareceu até agora. Talvez esse atraso todo seja porque os americanos ainda estejam ocupados fazendo fofocas de que os brasileiros só surfam bem em ondas pequenas e fechando. Sei...

Segue aqui o vídeo do MeSurfTV, galera sempre dedicada e que com grande agilidade, sempre publica ótimos resumos dos melhores eventos. (Só é uma pena que eles continuem ignorando o surf brasileiro):



Veja mais direto no site do evento:
http://www.live.ripcurl.com/?search2011